Pausar
  • 1

  • 2

  • 3

  • 4

A paralisação do dia 31 de março foi a abertura da Campanha Salarial Unificada 2016, de Funcionários, professores e estudantes da USP, Unesp e Unicamp.

A pauta unificada foi protocolada na reitoria e contou com um grande ato público de funcionários e estudantes da USP. A participação de tantos manifestantes deve ter incomodado muito o reitor Zago, que para cercear a manifestação implantou bloqueios em todas as vias de acesso à reitoria com, caminhões pipas, ônibus e viaturas, tudo em vão.

A indignação dos funcionários e estudantes da USP era expressa em cada fala. Contamos também a participação massiva dos estudantes e professores da Escola de Aplicação, que sofrem com a falta professores, assim como  materiais primários.

O tempo todo a frase "Não tem arrego" era mencionada, indicando que não aceitaremos o desmonte da universidade, o arrocho salarial, a ausência de uma política efetiva de permanência estudantil (nos últimos tempos Zago tem cortado auxílios imprescindíveis para os estudantes)e a destruição da carreira docente com o fim do RDIDP.

Agora, todas as unidades estão realizando suas reuniões para discutir o indicativo de greve por tempo indeterminado, em assembleia no dia 5 de maio, quando faremos nova paralisação.

A irritação do reitor foi expressa  através de atitudes antissindicais, o Sintusp não pode mais afixar faixas pelo campus, diretores do Sindicato receberam mais 3 processos judiciais e, por último o ofício notificando que devemos abandonar nossa sede (espaço que ocupamos há 50 anos) em 30 dias, com ameaça de medidas judiciais, leia-se reintegração com violência policial.

Resistiremos! Não sairemos da nossa sede!

Lei Complementar Nº 152, de 3 de dezembro de 2015

Dispõe sobre a aposentadoria compulsória por idade, com proventos proporcionais, nos termos do inciso II do § 1º do art. 40  da Constituição Federal.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço sabe que o Congresso Nacional decreta e eu promulgo, nos termos do parágrafo 5º do art. 66 da Constituição, a seguinte Lei Complementar:

Art. 1º Esta Lei Complementar dispõe sobre aposentadoria compulsória por idade, com proventos proporcionais no âmbito da da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos agentes públicos aos quais se aplica o inciso II do § 1º do art. 40 da Constituição Federal.

Art. 2º Serão aposentados compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, aos 75 (setenta e cinco) anos de idade: (...)

Art. 4º Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 3 de dezembro de 2015

Dilma Rousseff

Esta Lei Complementar modificou a idade da aposentadoria compulsória dos funcionários públicos do país, prevista na Constituição Federal.

JUSTIFICATIVAS

Conforme dados do Ministério Público do Planejamento, 10,3% da força de trabalho da Administração Federal é composta por servidores com mais de 60 anos de idade. Com o aumento da expectativa de vida da população brasileira, essas pessoas costumam gozar de plenitude de sua capacidade laborativa.

Para o agente público é benéfico porque se concebe mais tempo para que ele consiga obter melhores proventos  durante sua inatividade. De acordo com o boletim estatístico de Pessoal e Informações Organizacionais (BEP) do Ministério do Planejamento, a maioria esmagadora das aposentadorias compulsórias se dá com proventos proporcionais.

 

Clique aqui e veja o PDF das propostas de nomenclaturas e especialidades feitas na CCRH

Lembramos que a Assembleia realizada dia 8 de março reçassou esta proposta: NÃO ÀS MUDANÇAS NO PCF!

Dia 18/02, o Sintusp, como faz anualmente durante a calourada, recepcionou os novos estudantes de humanas.

Na ocasião, as diretoras Neli e Solange, juntamente com os cedebistas Felipe e João, falaram da necessidade de união e da importância do movimento estudantil para a luta dos trabalhadores.

A explanação passou pela necessidade de mantermos o caráter da Universidade como pública, gratuita e de qualidade. Além disso, a diretora Neli esclareceu a todos da luta pela manutenção dos Hospitais Universitários vinculados à USP. Todas as falaso transcorreram sobre como o atual reitor, Zago, tem conduzido o desmonte da USP, da necessidade de luta este ano ser ainda maior e que a união será impresncindível para mantermos a USP.

Notícias principais

Artigos

Documentos

Hide Main content block
 
PAUTA UNIFICADA 2015
Acompanhe a pauta unificada do Fórum das Seis 2016, que foi protocolada dia 31 de março, quando houve um beo ato e um dia de paralisação conjunta de trabalhadores e estudantes ... Leia mais...
 
Convocação URGENTE
 Informativo do Departamento Juridico sobre Adicional de periculosidade; ação de revisão de FGTS; ações de reintegração de aposentados e ação URV. Leia mais...