Notícias Principais

04/05/17

a QUEM INTERESSA A REFORMA TRABALHISTA?

                                                                                   Jorge Luiz Souto Maior

 
                                                                                                        “...ando mesmo descontente
                                                                                Desesperadamente, eu grito em português”
                                                                                                                    (Belchior,  946 - 2017)


 
I- O falso debate; II- O histórico da “reforma”; III- As falácias e os atentados dos pilares da “reforma”: 1. O negociado sobre o legislado; 2. Afastamento da Justiça do Trabalho; 3. Individualismo; 4. Política de subempregos; 5. Solidariedade sem participação do capital; 6. Criação de fetiches; IV- O conteúdo da “reforma”: 1. O que a “reforma” faz: a) no Direito Material; b) no Direito Processual; 2. O que a “reforma” não faz: a) no Direito Material; b) no Direito Processual; V- Outra reforma é possível? VI- Conclusão

 

I- O falso debate


Muito se tem falado sobre a “reforma” trabalhista. Tenta-se difundir a ideia de que quem é a favor da reforma é moderno e de que quem é contra é retrógado, apegado ao passado, burocrata etc. Diz, ainda, que aqueles que estão a favor são ponderados e razoáveis e os que são contra seriam radicais e ideológicos.



É bastante difícil enfrentar todos esses estereótipos e às vezes se tem a impressão que o melhor mesmo é não se manifestar. “Deixa rolar”, como se diz...



O problema é que está em jogo o futuro do país e, apesar de todos os incômodos, não dá para ficar calado.



De fato, não se trata de mera reforma trabalhista e sim de uma reformulação profunda no modo de ser social, que passa pela destruição das bases jurídicas do Estado de Direito brasileiro.



Difundi-se a ideia de que se está falando da alteração de uma legislação da década de 40, que estaria caduca, mas sabendo-se, como todos devem saber, que as leis do país estão regidas pela Constituição Federal, o que se está pondo em questão, portanto, no plano jurídico preciso, é a própria eficácia da Constituição de 88, que, ademais, relacionou expressamente os direitos dos trabalhadores, assim como lhes atribuiu a posição de direitos fundamentais.



A argumentação em torno da idade que se apresenta a respeito da CLT perde total sentido quando se lembra que dos 921 artigos da CLT de 1943, apenas 188 continuam vigentes até hoje e praticamente nenhum destes fixa, digamos assim, custos aos empregadores. Do ponto de vista legislativo, o que rege as relações de trabalho no Brasil, em consonância com a Constituição, é uma série de leis esparsas, editadas em grande número do ano de 1964 em diante, tendo sido a maioria, inclusive, na direção da dita “flexibilização”, tanto que o teor do PL 6787/16, que visa, segundo se diz, “modernizar a legislação do trabalho”, alterando mais de 200 dispositivos da CLT, toca apenas em 7 artigos da CLT que estavam vigentes em 1943; e mesmo assim não os revoga por inteiro.



Além disso, a pretendida reforma busca incentivar a livre negociação coletiva e isso é, precisamente, o que já existia no Brasil antes do Decreto 19.770, de 31 de março de 1931.

Além disso, a dita reforma “modernizadora” procura ampliar as possibilidades da liberdade contratual individual, mas com essa iniciativa apenas se retomam os padrões jurídicos da locação de serviços, tal qual prevista no Brasil desde 1830, com as alterações sofridas em 1837, 1850, 1879 e 1916.



A questão temporal, portanto, é apenas uma máscara, assim como a tentativa de transpor a questão para o campo ideológico, como se o debate a respeito fosse mera diferença de visão de mundo, ou seja, fruto de posicionamentos ideológicos distintos, isto porque se os direitos civis e políticos, incluindo a liberdade, foram consagrados no capitalismo, em 1789, os Direitos Humanos, de índole social, também foram enunciados dentro do mesmo modelo, por meio da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948.



Saindo dos estereótipos e dos argumentos prontos, torna-se possível perceber que a proposta de reforma, apresentada no último dia 12 de abril, busca uma reconstrução dos destinos da sociedade brasileira e o faz, segundo procurarei demonstrar, em conformidade com os interesses exclusivos do setor econômico (que são legítimos, mas não são os únicos) e isso – para além dos desejos individuais, ou seja, do que cada um possa considerar que seria o melhor para o país – contraria o pacto firmado na Constituinte de 1987, sendo que o pior de tudo são as estratégias políticas que se têm utilizado para chegar a esse resultado, fazendo com que não estejam em risco apenas os direitos dos trabalhadores, mas a democracia e o Estado de Direito nacionais, repercutindo, pois, no cotidiano de todos, independentemente de seus crédulos ou ideologias, mas, claro, mais diretamente, e no sentido negativo, na vida dos trabalhadores.



II- O histórico da “reforma”



Desde o início de dezembro de 2014 manifestações se organizam contra o governo e já naquele instante era possível perceber que a tentativa de fragilização do governo – que era como o setor econômico vislumbrava a mobilização – estava ligada ao propósito de direcioná-lo à realização, em seu proveito, de alterações na legislação social, sobretudo no que se refere à ampliação da terceirização[i].



Foi assim que o governo, em 30/12/14, editou as MPs 664 e 665 e, em 06/07/15, a MP 680 (Programa de Proteção ao Emprego), valendo lembrar que, bem antes disso, em maio de 2014, já havia dado indicativos nesta direção com a edição do Decreto n. 8.243, que instituiu a Política Nacional de Participação Social — PNPS. Essa normativa previa a criação de um Sistema Único do Trabalho — SUT, pelo qual, de forma bastante sutil, se retomava a ideia, embutida na antiga Emenda n. 3, de março de 2007, de negar o caráter de indisponibilidade da legislação trabalhista[ii].



De março de 2015 em diante, a demanda por um impeachment da Presidenta Dilma só aumentou, favorecendo a ampliação da reivindicação patronal. Por outro lado, também aumentava a pressão da classe trabalhadora sobre o governo, cobrando deste o respeito ao compromisso, feito na campanha eleitoral, de que não mexeria em direitos trabalhistas nem que a vaca tossisse.



No curso desse impasse, o PMDB, ainda compondo o governo, em 29/10/15, anuncia o seu programa “Uma Ponte para o Futuro”, que previa a realização de “reformas estruturais” necessárias para alavancar a economia, falando, inclusive, de alterações nas leis e na Constituição, cujas “disfuncionalidades” deveriam ser corrigidas.



E cumpre observar que, embora fizesse esse indicativo das “reformas”, o programa não trazia um projeto completo e claro a respeito, fazendo menção expressa apenas, na área previdenciária, à elevação da idade mínima para a aposentadoria, e, na questão trabalhista, a uma atuação para “permitir que as convenções coletivas prevaleçam sobre as normas legais, salvo quanto aos direitos básicos”[iii].



Em concreto, o PMDB não tinha um projeto de reforma trabalhista. E muito menos o tinha o Vice-Presidente da República, Michel Temer. O indicativo a respeito foi apenas de ordem política.



De todo modo, esse indicativo foi o impulso que faltava para a abertura do processo de impeachment, que aparece, também, como solução do impasse.



Assim, após Eduardo Cunha acolher, em 02/12/15, o pedido de impeachment, que começa a tramitar na Câmara em 04/12/15[iv], o setor empresarial passa a se manifestar expressamente a favor do afastamento da Presidente, tendo a percepção de que, diante da potencial fragilização das instituições democráticas (o que já vinha se manifestando, vale lembrar, em fórmulas explícitas de Estado de exceção, desde 2013), se teria a oportunidade para concretizar um desejo manifestado desde 1989, qual seja, o destruir o projeto de Estado Social fixado na Constituição de 1988, notadamente nos aspectos da posição de direitos fundamentais que foi conferida aos direitos dos trabalhadores e da relevância dada à Justiça do Trabalho, sobretudo após a EC45/04, quando sua competência jurisdicional foi ampliada[v].



A FIESP e a CIESP só se manifestaram, expressamente, a favor do impeachment em 14/12/2015[vi]; a CNA, em 06/04/2016; a CNI e a CNT, em 14/04/2016, ou seja, três dias antes da votação na Câmara, que se deu em 17/04/16; e a FEBRABAN não se pronunciou a respeito (o que não significa que estive contra, por certo).



Um dia antes da votação na Câmara, como forma de justificar o impeachment, já vislumbrado como essencial para a “recuperação da economia”, o Presidente da FIESP, Paulo Skaf, em entrevista concedida ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada na edição de 16/04/16[vii], anunciou:



“Com a retomada da confiança [leia-se: com o impeachment de Dilma e um governo Temer], a economia retomará o crescimento, e não demorará muito. É necessário que se dê um crédito para o presidente que assuma. (...) Não tinha como resolver a economia sem mudar o governo.”



E o Presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura e da Pecuária), João Martins, no mesmo dia, discursando para Deputados da bancada ruralista, disse:



“A dura realidade é que o atual governo optou pelo caminho errado ao adotar medidas que afetaram a estabilidade da economia e provocaram o crescimento do desemprego (...) o fechamento de 100 mil estabelecimentos comerciais em todo país, gerando 10 milhões de desempregados e com o governo perdendo toda credibilidade junto à população e à comunidade financeira internacional (...). Mudar o país, reconstruir a economia, fazer as reformas estruturais, por exemplo, da previdência social e da legislação trabalhista, são tarefas complexas a serem executadas a partir da aprovação do impeachment.”



Um mês depois da posse nenhuma providência do governo foi tomada no sentido de alguma reforma trabalhista. E o próprio PL 4.330/04 – da terceirização, que era uma grande aposta empresarial e já havia sido aprovado na Câmara em 23/04/15, encontrava fortes obstáculos desde quando passou a tramitar no Senado, a partir de 28/04/15, com o número PLC 30/15, tendo como relator, nomeado em 17/08/15, o Senador Paulo Paim.



Então, em 19/05/16, é divulgada a notícia de que alguns integrantes do governo, incluindo Ministros, estavam envolvidos em denúncias da Lava Jato[viii].



O governo não entendeu o recado e continuou desprezando a reforma trabalhista, vez que, expressamente, dava prioridade à reforma previdenciária, conforme dito pelo Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, em 20/05/16:



“O ministério irá ouvir os trabalhadores até porque a reforma trabalhista é num segundo momento. Primeiro o governo está trabalhando para buscar um consenso no que diz respeito a Previdência Social”[ix].



O Ministro, inclusive, chegou a ser aplaudido por sindicalistas quando comunicou que “nenhuma medida será anunciada sem que antes seja construída uma base consensual com os sindicatos” [x].



Foi assim que, no dia 08/06/16, 150 empresários, de diversos setores, dada a oportunidade da crise política, foram até o Planalto encontrar com o Presidente (até então, interino), expressar o seu apoio ao governo e aproveitar para lembrá-lo do compromisso assumido com relação às reformas estruturais na Previdência e na legislação do trabalho[xi].



O governo, revelando o pacto feito com esse segmento da sociedade, setor empresarial e grande mídia, reafirmou publicamente o seu propósito de implementar as denominadas “medidas impopulares” para conduzir as tais “reformas estruturais” e, digamos assim, mudou o rumo da prosa.



Os Ministros do governo Temer, então, vieram a público para tornar a vontade empresarial uma voz oficial do Estado.



Em 18/06/16, o Ministro do Trabalho passa a falar, então, da necessidade de alterar a legislação do trabalho: “Precisamos ter contrato de trabalho que explicite as regras mais claramente, a respeito dos direitos e garantias do trabalhador”[xii].



Já o Ministro da Casa Civil, o mesmo que enunciou o fim da Lava Jato, explicitando que ela devia saber a hora de parar[xiii], para justificar o fim da CLT, disse, na mesma data, que “... a década de 40, 46, ficou para trás há muito tempo”, afirmando que se havia alguma razão para a legislação trabalhista criada por Getúlio Vargas naquela época hoje essas razões não existem mais[xiv].



E foi além, ao expressar que:



“...temos que olhar rumo ao amanhã, (ver o que) os países desenvolvidos estão fazendo, e temos que fazer aqui. Essa questão do pactuado versus legislado, com sobreposição do pactuado sobre o legislado, isso é o mundo. Nós não estamos aqui inventando a roda. Isso é no mundo hoje, diante da competitividade que se estabeleceu para se ter emprego. Todo mundo (está) tentando buscar o pleno emprego. Então tem que se facilitar as formas de contratação.”



O Presidente da CNI se sentiu tão confortável com a situação política do país, extremamente favorável ao setor econômico, que, em 11/07/16, chegou a dizer[xv] que para recuperar a competitividade das empresas seria preciso aumentar o limite do trabalho de 44 para 80 horas semanais. Verdade que depois reconsiderou a fala para esclarecer que fazia menção ao limite de 60 horas semanais[xvi] e não ao de 80.



A grande mídia também procurou fazer a sua parte e, no dia 20/07/16, o jornal Folha de S. Paulo deu destaque à notícia (que foi concretamente um ultimato) de que o governo iria enviar ao Congresso Nacional, até o final do ano, três propostas de reformas trabalhistas[xvii].

O governo soube se valer da situação e, no dia imediatamente anterior à votação do impeachment no Senado, ou seja, em 24/08/16, chamou empresários para um evento no Palácio do Planalto e, em manifestação pública, fez o quê? Defendeu a reforma trabalhista, o que, claro, muito rapidamente foi repercutido na imprensa[xviii].



Ocorre que, no dia 8/9/16, no processo RE 895.759 (1159), o Ministro Teori Zavascki, em decisão monocrática, seguindo a mesma linha já aberta pela decisão proferida no RE 590.415, de 30 de abril de 2015 (relator Ministro Roberto Barroso), acolheu a validade de norma coletiva que fixava o limite máximo de horas “in itinere”, fazendo, inclusive, uma apologia ao negociado sobre o legislado.



No dia 14/09/16, o Supremo, refletindo o momento político, provavelmente pela primeira vez em toda a sua história, designou uma pauta composta integralmente de processos que diziam respeito a questões trabalhistas. E foi uma pauta cuidadosamente escolhida, vez que as questões, todas elas, eram ligadas ao tema da flexibilização. Ou seja, elaborou-se uma pauta com a finalidade de promover uma autêntica “reforma” jurisprudencial trabalhista, passando por cima dos entendimentos, nas mesmas matérias, já expressos pelo TST, como se verificou no conteúdo dos julgamentos proferidos.



No julgamento da ADIN 4842 (relator, Ministro Celso de Melo), o STF declarou constitucional o art. 5º da Lei n. 11.901/09, que fixa em 12 horas a jornada de trabalho dos bombeiros civis, seguida por 36 horas de descanso e com limitação a 36 horas semanais, contrariando a limitação diária estabelecida no art. 7º, XIII, da Constituição Federal.

 


Na mesma sessão, do dia 14/9/16, o Ministro Roberto Barroso, chamando o Ministro Marco Aurélio de Melo ao diálogo disse: “toda tendência do Direito do Trabalho contemporâneo é no sentido da flexibilização das relações e da coletivização das discussões”. E o Ministro Marco Aurélio completou: “Fato. Mais dia menos dia nós vamos ter que partir para essa reforma”.



Diante dessa manifestação explícita do STF, Temer vê a oportunidade para não levar adiante o incômodo da reforma trabalhista, declarando, no dia seguinte, 15/09/16, que não era “idiota” de eliminar direitos trabalhistas e chega a anunciar que deixaria para 2017 a apresentação de alguma alteração trabalhista, mantendo o foco na reforma previdenciária[xix].



Em 21/09/16, o governo oficializa sua posição no sentido do adiamento, para o 2º semestre de 2017, das discussões em torno da reforma trabalhista. O Ministro do Trabalho afirma: “Estamos apenas em fase de estudos e de debates, porque a questão é complexa e precisa ter a participação de todos os setores envolvidos". E esclarece que antes de discutir mudanças na lei trabalhista, o governo iria focar na recuperação da economia[xx].

Mas, ainda que o STF tivesse se apresentado como agente da reforma, isso, por certo, não era de pleno agrado do setor empresarial que inflou a chegada de Temer ao poder, pois assim se manteria sobre o controle do Judiciário a regulação da relação capital-trabalho e o que este setor pretendia era muito mais que isso; era eliminar a intermediação estatal e controlar diretamente a força de trabalho. Além disso, as decisões do STF, embora flexibilizantes, não iam ao ponto pretendido da total derrocada de direitos trabalhistas, chegando mesmo a manterem inabalados os princípios do Direito do Trabalho e a própria autoridade da Justiça do Trabalho.



Apesar de várias decisões do STF favoráveis ao setor econômico, percebeu-se a necessidade de se retomar o tema da reforma trabalhista no âmbito do legislativo.



Então, no dia 10/12/16, “vaza” para a grande mídia a informação de que o nome de Temer havia sido citado 43 vezes nas delações da Odebrecht[xxi].



Em resposta, o que fez o governo? Rapidamente, tratou de retomar o tema da reforma trabalhista.

No dia 17/12/16, o Ministro do Trabalho, alterando completamente sua fala anterior, veio a público para dizer que o governo faria uma proposta de reforma trabalhista, não sabendo, no entanto, que reforma seria essa. Apenas disse que poderia haver a adoção do “trabalho intermitente”, explicitando, ainda, que não havia consenso a respeito[xxii].



É evidente, pois, que o governo, como já havia manifestado, não tinha uma proposta concreta de reforma trabalhista, ao menos uma que fosse fruto de estudos, com projeções e expectativas. O que se pretendeu naquele instante, com aquela informação, foi meramente abafar os efeitos nefastos das últimas notícias. Mas pode-se dizer, também, que o governo foi pressionado para levar adiante a promessa que havia feito de realizar a “impopular” reforma trabalhista.



Foi assim que se organizou, no dia 22/12/16, um grande palanque no Palácio do Planalto, com as presenças dos Ministros Gilmar Mendes e Ives Gandra da Silva Martins Filho, para anunciar a apresentação de um projeto de lei qualquer, junto com a informação de que iria liberar, a partir de 1º de fevereiro de 2017, o FGTS inativo.

O governo conseguia, desse modo, alterar a pauta da grande mídia, colocando a notícia da reforma trabalhista nas primeiras páginas, ao mesmo tempo em que acalmava os empresários – e trabalhadores, com a liberação do FGTS –, mantendo ambos em expectativa.

Mas, percebam. O governo não tinha um projeto próprio de reforma trabalhista. O anteprojeto que apresentou ao Congresso Nacional, no dia seguinte, em 23/12/16 (onde recebeu o número PL 6787/16), com o apelido de uma minirreforma, foi feito às pressas para abafar a crise política; tinha míseras 9 páginas, incluindo a justificativa, e alterava apenas 7 artigos da CLT, além de propor uma reformulação na Lei n. 6.019/16 (trabalho temporário).

Em paralelo, como já dito, tramitava, no Senado Federal, o PLC30/15, que previa a ampliação da terceirização, mas como estava sendo forte a reação social contra o projeto, favorecida pela atuação do relator, Senador Paulo Paim, era preciso fazer algo para que o nó dado à questão da terceirização também fosse desatado.

O impulso para o desenlace se deu com nova notícia acerca da Lava Jato.

No dia 03/03/17, foi divulgada a informação de que havida sido aceita naquele dia a “primeira” denúncia da Lava Jato do ano[xxiii].



No mesmo dia, 03 de março de 2017, é divulgada a notícia[xxiv] de que a Câmara pretendia retomar a tramitação do PL 4.302/98, cuidando de trabalho temporário (mesmo já estando referido no PL 6786/16), mas que também fazia menção, ainda que de forma não muito precisa, à terceirização, com permissivo para a atividade-fim das empresas.

O PL 4.302/98 estava praticamente sem tramitação[xxv], destacando-se, apenas, um pedido de movimentação, direcionado ao Presidente da Câmara, formulado pela Fecomércio, em 10/01/17, que foi encaminhado à CCJC, em 25/01/17, onde deu entrada em 26/01/17.



No dia 21/03/17, a Polícia Federal deflagrou a primeira operação referente aos nomes denunciados pela delação da Odebrecht, envolvendo 4 senadores, em 4 Estados[xxvi] e, no mesmo dia, em 21 de março, todas as “pendências” do PL 4.302/98 foram sanadas e o projeto foi encaminhado a plenário e aprovado em 22/03/17.



Nunca se viu um procedimento tão acelerado. O PL foi sancionado por Temer, em 31/03/17, transformando-se na Lei n. 13.429/17, publicada no mesmo dia no Diário Oficial da União.



E a estratégia de vincular a “reforma” trabalhista ao projeto político parece estar dando certo, pois, ao contrário do que se anunciava em 10/12/16, quando foi divulgada a “lista do Fachin”, de denunciados da Lava Jato, em 11/04/17[xxvii], o nome de Temer não apareceu, e, embora se tenha um fundamento jurídico para tanto, por este ocupar o cargo da Presidência da República, o fato concreto é que, como já se chegou a expressar[xxviii], algumas “avaliações jurídicas” devem ser feitas de modo a não permitir que se abale a “estabilidade do país”. Neste caso, a estabilidade se sustenta, mesmo que sobre areia movediça, para atender ao propósito de levar adiante as reformas trabalhista e previdenciária, que foi o que, contraditoriamente, motivou o abalo da democracia e das instituições do país.



E o interessante é que essas reformas estão sendo conduzidas por vários parlamentares denunciados na “lista do Fachin”.



Assim, o que a população brasileira – incluindo os eventuais “inocentes” úteis e os que efetivamente creem nas benesses das “reformas” – deve se perguntar, de forma bem sincera e honesta, é quais seriam os compromissos políticos e econômicos que estão impulsionando a tramitação, de forma tão acelerada e despudoradamente antidemocrática, dos projetos das referidas “reformas”, notadamente a trabalhista, cujo conteúdo final, como se demonstrará adiante, serve, integralmente, ao setor econômico ligado ao grande capital.



Que ajustes seriam esses que se valem da fragilização das instituições nacionais, para favorecer interesses que não se revelam e que se anunciam pelas fórmulas vazias da “modernização” e da “eliminação da informalidade”?



Vale verificar que o relatório final do PL 6787/16, apresentado logo no dia seguinte ao da divulgação da lista do Fachin, ou seja, em 12/04/17, não era, inicialmente (em 23/12/16), um projeto de reforma trabalhista, como acima demonstrado, e, em apenas quatro meses (devendo-se considerar que, de fato, a tramitação tem início em 09/02/17, quando é instalada a Comissão Especial da Reforma e eleito como relator o deputado Rogério Marinho, o que resulta em parcos dois meses de tramitação) se transformou em um texto com 132 páginas, incluindo o Parecer, propondo a alteração de mais de 200 dispositivos na CLT, dentre artigos e parágrafos, todas no mesmo sentido.



O que se verificou ao longo dessa tramitação foi a exclusiva incorporação de demandas que o setor empresarial tinha no que tange às relações de trabalho[xxix], seja no plano do direito material, seja no campo processual, fazendo-o de modo a majorar o poder dos grandes conglomerados econômicos e, notadamente, das grandes empreiteiras, por meio de dois pilares: a) fragilização jurídica e fragmentação da classe trabalhadora; e afastamento da atuação corretiva e limitadora do Estado (direito e instituições – Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho, Auditores Fiscais do Trabalho e advocacia trabalhista), a não ser naquilo que interesse ao capital.



Não se trata de mera reforma, mas de uma alteração profunda do modo de produção e nas relações de trabalho no Brasil e todas no mesmo sentido de atendimento de demandas empresariais.



Destaque-se que não se está falando aqui, em momento algum, que nenhuma alteração na legislação do trabalho não possa ser debatida. Aliás, um ponto sobre o qual não se tem praticamente discussão no meio jurídico – tendo motivado manifestações de todas as instituições ligadas ao mundo do direito – é exatamente o de que a rejeição ao PL 6787/16 se impõe em razão da total ausência de possibilidades de se ter estabelecido um debate democrático e sério quanto ao seu conteúdo. Na elaboração do PL afastaram-se, completamente, as considerações que levavam em conta, igualmente, os interesses da classe trabalhadora e a necessidade de preservar o projeto constitucional.



Além disso, como se está demonstrando, nem é propriamente de uma reforma que se cuida. O PL 6787/16, como revela o seu conteúdo, representa uma reformulação completa do próprio modelo de Estado, trazendo alterações estruturais que repercutem na vida nacional.

  

Sob a retórica de que se está modernizando uma legislação da década de 40, o que se está pretendendo realizar é um desmonte do pacto realizado na Constituição de 1988, sem o estabelecimento de um amplo debate a respeito, com o estabelecimento, inclusive, das vias necessárias de participação popular. Não se esqueça que a Assembleia Nacional Constituinte, instalada a partir de 1º de fevereiro de 1987, esteve aberta a propostas de emendas populares, com o requisito de que fossem encaminhadas por associações civis e subscritas por, no mínimo, 30 mil assinaturas, como forma de atestar o apoio popular à proposta, sendo que até o encerramento dos trabalhos, foram apresentadas mais de 120 propostas nas mais diversas áreas, reunindo cerca de 12 milhões de assinaturas.



O que resta evidente pela própria cronologia dos fatos acima apresentada é que se está tentando levar adiante, a fórceps, sem o mínimo respeito às instituições democráticas, uma reforma empresarial que tende a suprimir a eficácia da Constituição de 1988, podendo-se prever até mesmo, pelo modo como as coisas se desenvolveram, que ao final de todo esse processo nenhuma alteração concreta se verifique com relação à corrupção, com punição dos diretamente envolvidos, sendo que muitos, inclusive, sairão beneficiados pela reforma trabalhista aprovada.



No dia 22/04/17, por exemplo, veiculou a notícia de que as principais empresas citadas na Lava Jato haviam demitido 600 mil pessoas, nos últimos 3 anos, sem fazer qualquer consideração crítica a respeito, ou seja, naturalizando as dispensas. Sem dizer expressamente, a notícia aponta para a necessidade de uma limitação da Lava Jato, destacando os seus “efeitos colaterais”[xxx]. Além disso, tem como função difundir a ideia de que as empresas corruptoras devem ser perdoadas porque, além de terem contribuído com as delações, ainda estão sendo vítima dos efeitos econômicos do processo, o que, indiretamente, serve para justificar as reformas trabalhistas, que poderiam auxiliá-las em sua recuperação, favorecendo o governo na difusão de números de aumento do emprego em razão da reforma, ainda que, de fato, se trate de subemprego.

E, em 23/04/17, o Presidente da Natura veio a público para defender a manutenção de Temer no poder até 2018[xxxi].



Ao mesmo tempo, a tramitação do processo que envolve a “lista do Fachin” tende a se eternizar no STF.



Assim, o roteiro se direciona para um final, no qual, mais uma vez na história do Brasil, os punidos serão apenas os trabalhadores.



Aliás, é bastante curioso que precisamente no momento histórico em que se diz estar pretendendo banir do cenário nacional a corrupção, o que implicaria interferir no poder das grandes empresas e na sua correlação com políticos e na sua influência sobre as instituições públicas, difunde-se esse ataque midiático à Justiça do Trabalho e se o faz com o argumento, sempre expresso, de que ela interveio na vontade das empresas. Ou seja, quando se diz estar passando o Brasil a limpo, é alarmante que se esteja promovendo um achincalhamento público de uma instituição que não se corrompeu, que não cedeu e que não abriu mão de cumprir a sua função de impor limites, constitucionalmente previstos, à exploração do trabalho pelo capital.



Muito se diz sobre a insegurança jurídica causada pela jurisprudência da Justiça do Trabalho, mas o que esta fez, frente às reiteradas tentativas de se desconstruir a Constituição de 1988, com interpretações forçadas, foi assegurar a efetividade das normas constitucionais e o fez, “data venia”, de forma ainda limitada, haja vista que corroborou com a intermediação da mão-de-obra sob o eufemismo da terceirização, não conferiu aplicabilidade imediata ao inciso I, do art. 7º, não declarou a inconstitucionalidade do banco de horas, acolhei a jornada de 12x36, impôs reiterados limites inconstitucionais ao direito de greve, interpretou de forma restrita o lapso prescricional, acatou a teoria da responsabilidade subjetiva nos acidentes do trabalho, reforçando a noção, criada na década de 60 para incentivar o investimento de empresas estrangeiras no Brasil, de “ato inseguro da vítima” etc.



De todo modo, no conjunto, o que se extrai da atuação da Justiça do Trabalho é uma jurisprudência de resistência e bastante importante para o projeto social democrático, tomando-se, como exemplos, a limitação às dispensas coletivas e a ultratividade (diretamente atacadas na “reforma”).



O problema é que nem mesmo essas contenções foram aceitas pelo setor empresarial e o que estamos vivendo hoje, concretamente, é um autêntico atentado ao Estado de Drieito por meio também do assédio moral coletivo aos juízes e juízas do trabalho, como forma de interferir na sua independência jurisdicional, tudo para a imposição de uma “reforma” empresarial trabalhista.



O conteúdo do PL 6787/16 – analisados todos os seus dispositivos, um a um – é uma explicitação de que, em conformidade com todo o processo histórico acima narrado, se buscou atender, exclusivamente, os interesses do grande capital, não apenas no sentido de favorecê-lo na sua relação imediata com os trabalhadores, mas de lhe conferir um quase total controle da vida nacional, o que explica, inclusive, o ataque à Justiça do Trabalho, como dito.


A pressa com que se pretende aprovar a “reforma” é a demonstração nítida de que o seu conteúdo não resistiria a um debate democrático mais amplamente difundido.



Para se ter uma ideia, bastou uma pergunta ao relator do Projeto de Lei da “reforma”, feita em 24/04/17, em programa de televisão[xxxii], sobre qual seria a utilidade para a sociedade brasileira de se incluir no PL um dispositivo com o potencial de eliminar a responsabilidade de empresas envolvidas, na “cadeia produtiva”, com a exploração do trabalho em condições análogas à de escravos[xxxiii], para que o dispositivo simplesmente sumisse do relatório final aprovado na Câmara dos Deputados no dia 26/04/17. Aliás, a própria reação do deputado à pergunta revela o seu desconhecimento sobre os alcances jurídicos de dispositivos que constam da “reforma”.



Aliás, bastou também que se evidenciasse, em caso concreto, o quanto a precariedade das condições de trabalho põe em risco a vida dos trabalhadores e também dos consumidores, para que um recuo, rapidamente, se verificasse na proposta de “reforma”. Com efeito, quando se visualizou o efeito do trabalho intermitente na aviação civil e como essa modalidade de contratação colocaria em risco não só a vida dos trabalhadores, mas também dos passageiros (muitos que estão por aí considerando que a precariedade é benéfica) e dos próprios congressistas, o relatório final, aprovado no dia 26/04, no que tange ao dispositivo que cuida do trabalho intermitente, foi alterado para explicitar que os aeronautas estariam excluídos do alcance dessa previsão:



“Art. 443 - § 3º Considera-se como intermitente o contrato de trabalho no qual a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria.” – grifou-se



Além disso, sem muita justificativa já se alterou a tal parametrização (que é, por si, uma afronta à Constituição) do dano moral prevista na “reforma”, que, na redação de 12/04/17, era: “I – ofensa de natureza leve, até cinco vezes o último salário contratual do ofendido; II – ofensa de natureza média, até dez vezes o último salário contratual do ofendido; III – ofensa de natureza grave, até cinquenta vezes o último salário contratual do ofendido”, e que, na redação de 26/04/17, passou a ser: “I – ofensa de natureza leve, até três vezes o último salário contratual do ofendido; II – ofensa de natureza média, até cinco vezes o último salário contratual do ofendido; III – ofensa de natureza grave, até vinte vezes o último salário contratual do ofendido; IV - ofensa de natureza gravíssima, até cinquenta vezes o último salário contratual do ofendido”.

Esses exemplos evidenciam que: 1) os próprios parlamentares reconhecem que a precarização das relações de trabalho gera problemas tanto para os trabalhadores quanto para os consumidores; 2) a “reforma” não está baseada em estudos necessariamente aprofundados, podendo gerar enorme insegurança jurídica e transtornos econômicos, sociais e jurídicos de toda a espécie; 3) mesmo os parlamentares não compreendem, em muitos aspectos, a totalidade dos efeitos jurídicos dos dispositivos que estão aprovando; 4) visualizados, só pelas modificações já feitas, os enormes complicadores que um conjunto de mais de 200 alterações legais pode gerar, a pressa com que se pretende aprovar a “reforma”, aliada às evidências da cronologia acima apresentada, demonstra que os parlamentares não estão preocupados com a melhoria da regulamentação das relações de trabalho no Brasil e sim em cumprir um compromisso de levar adiante uma agenda política direcionada a interesses específicos; 5) se fosse possibilitado o debate democrático, com o necessário alcance da grande mídia, a “reforma” não se seguraria em pé; 6) pouco estão, de fato, se importando com os enormes transtornos que essa “reforma” vai gerar.



III- As falácias e os atentados dos pilares da “reforma”



1. O negociado sobre o legislado



O projeto tenta se justificar pela necessidade de modernização das relações de trabalho, incentivando a negociação coletiva.



Isso, no entanto, afronta, diretamente, o projeto de Estado Social, no qual a vontade dos sujeitos não deve prevalecer sobre o pacto de solidariedade que se estabelece por meio de um patamar civilizatório mínimo. Ou seja, o capital e o trabalho podem se relacionar livremente desde que sejam garantidos os preceitos mínimos que servem à organização do modelo de sociedade até mesmo para que a lógica da livre concorrência não conduza todos a uma situação de barbárie.



Não se pode acreditar que os livres ajustes se voltem ao interesse coletivo e o interesse público não está refletido na soma dos interesses individuais, como já demonstrou a história.

Se dirá que a reforma não vai a esse ponto, pois o que se almeja é apenas que direitos constitucionalmente assegurados sejam regulados de forma distinta pelos diretamente interessados. O problema é que se tenta afastar por completo a participação do Estado do controle do respeito aos preceitos constitucionais por meio de fórmulas processuais, que incluem até mesmo a interferência na independência do juiz, dizendo-lhe como deve julgar, se isto eventualmente vier a ocorrer.



Além disso, por mais que o projeto tente assegurar esse efeito, de que nenhum direito será perdido, o concreto é que ao falar que direitos constitucionais não podem ser simplesmente reduzidos, acaba, pela própria expressão utilizada, dando margem à compreensão, em interpretação a contrario sensu, de que mesmos esses direitos podem ser compensados com outras vantagens, mas não estipula o modo dessa “equivalência” e ainda diz que a ausência das contrapartidas não implica em anulação do negociado.



O que se tenta, concretamente, é fazer com que os próprios trabalhadores sejam agentes de suas derrotas, vez que numa realidade de desemprego estrutural, de terceirização ampla, de trabalho intermitente como regra e de sindicatos fragilizados, os empregadores (sobretudo os grandes empregadores) terão amplas condições de impor a sua vontade, sempre com o argumento de que se as reduções não forem aceitas conduzirão os trabalhadores ao desemprego, o que, aliás, foi expressamente autorizado pelo projeto (o projeto da reforma expressamente autoriza e, assim até incentiva, as dispensas coletivas sem justo motivo – o que vinha sendo impedido pela Justiça do Trabalho).



Lembre-se que a liberdade negocial pressupõe, mesmo nos marcos jurídicos do Direito Civil, que o ajuste não se conclua a partir do estado de necessidade de uma das partes, vez que isso fere os princípios da liberdade e da boa-fé, que são a essência do contrato. Daí porque, para chegar ao ponto preconizado, de maior amplitude para a negociação coletiva, o projeto, não estivesse vinculado a propósitos não revelados, deveria iniciar regulamentando o inciso I, do art. 7º, da Constituição Federal, que garante aos trabalhadores a relação de emprego protegida contra dispensa arbitrária.



O próprio projeto, no seu parecer, reconhece que os sindicatos estão fragilizados, mas argumenta que a ampliação das potencialidades negociais aumenta o seu poder. Ora, o que essa possibilidade faz é fragilizar ainda mais os sindicatos, sobretudo quando se acopla a essa situação a eliminação do imposto sindical, que passa a ser opcional.



Registre-se aqui que poucos são, no meio jurídico trabalhista, os que defendem o imposto sindical obrigatório, mas quase ninguém nega, também, que é necessário garantir a liberdade sindical antes de se chegar a esse resultado.



Além disso, a reforma, falando de liberdade, simplesmente não adentra o problema fundamental para os trabalhadores que é o da intervenção do Estado nas greves. O projeto, portanto, deveria, essencialmente, libertar os termos do art. 9º, da Constituição Federal, dos limites em que, indevidamente, foram postos pela Lei n. 7783/89 (que é inconstitucional, mas que, estranhamente, tem prevalecido sobre a Constituição).



Em suma, o projeto fala em modernidade para a livre negociação, mas não estabelece nenhuma garantia aos trabalhadores para que possam manifestar sua vontade livremente.



2. Afastamento da Justiça do Trabalho



A tentativa de afastar a Justiça do Trabalho se dá para impedir que ela faça prevalecer as políticas públicas voltadas às relações de trabalho fixadas na Constituição, como tem feito, ainda que timidamente.



A classe empresarial quer definir sozinha o seu destino, mas nisto não há nenhum projeto de país.



3. Individualismo



O projeto incentiva o individualismo, destruindo, pois, a lógica de solidariedade social.



Reforça, inclusive, a lógica, já existente no Brasil, infelizmente, de que aqueles que estão bem situados economicamente não precisam se integrar aos projetos gerais da Seguridade Social.



Ao se permitir que os interessados diretos resolvam, como quiserem, os seus interesses, a tendência, inclusive, é que se alastrem as práticas de sonegação da Previdência Social, como forma de abrir espaço maior para os institutos de previdência privada.



4. Política de subempregos



O projeto tenta fazer crer que a geração de empregos é uma mera questão de alinhamento da forma jurídica com a vontade dos empregadores. As supostas fórmulas criadas para geração de empregos, trabalho intermitente e terceirização de atividade-fim gerarão, isto sim, um deslocamento dos empregados fixos e diretos para as relações intermediadas e temporárias, aumentando a precariedade no mercado de trabalho como um todo, além de fragmentar e fragilizar ainda mais a classe trabalhadora, como forma, inclusive, de aniquilar por completo qualquer possibilidade de exercício de pressão sobre os empregadores no momento da negociação coletiva.



Ademais, segundo se diz[xxxiv], são as micro e pequenas empresas que de fato empregam no país e as reformas, no geral, atendem aos propósitos dos grandes conglomerados econômicos, aumentando o seu poder, que se exerce, inclusive, sobre as micro e pequenas empresas.



5. Solidariedade sem participação do capital



Tenta-se justificar a regulamentação de vínculos precários como forma de melhorar a condição social dos que estão na informalidade. Mas o fenômeno já se produziu entre nós na regulamentação das cooperativas de trabalho, em 1994. Os empregados passaram a ser “cooperados”.



A precarização não inclui, até porque, se isso se ocorresse, não seria propriamente inclusão, mas uma semi-inclusão.



Não se trata de recusar a ideia, que também acompanha os termos da reforma, de tirar de quem tem mais para dar a quem tem menos. Ora, a solidariedade não pode ser pensada nos limites estritos do conjunto dos menos favorecidos da sociedade. Não é aos trabalhadores com emprego que se deve exigir sacrifício para que se proceda a inclusão dos “informais”. O que se deve fazer é estimular a economia, reformular a distribuição tributária, e efetivar políticas públicas, também de cunho social e educacional.



É preciso que se tenha a percepção concreta de quais são os obstáculos à justiça social. Estimular o subemprego, melhorando o dado estatístico da empregabilidade, serve apenas para mascarar os desajustes econômicos e os nossos graves problemas sociais históricos.



6. Criação de fetiches



Os fundamentos com que se tentam justificar a reforma geram, ainda, os graves fetiches de que o empresariado brasileiro, ao longo da história, foi um fiel cumpridor da lei, de que a economia brasileira sempre foi saudável e justa e de que se as coisas não andaram bem foi por culpa da Justiça do Trabalho que impôs aos empregadores obrigações superiores àquelas previstas nas leis; quando não do próprio trabalhador, em razão de seus insuportáveis, economicamente falando, direitos.



Fato é que a soma desses fatores conduz ao resultado pretendido do aumento de poder dos grandes conglomerados econômicos: afastamento do Estado (Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho, Auditores Fiscais do Trabalho, com a essencial participação da advocacia trabalhista) das relações de trabalho e, por consequencia, a eliminação do projeto de Estado Social.



IV- O conteúdo da “reforma”



Para que não se diga que os argumentos acima são exagerados, expõem-se, abaixo, de forma esquemática, os principais pontos da “reforma”, que são, como se poderá verificar, exclusivamente voltados aos interesses dos empregadores.



1. O que a “reforma” faz:



a) no Direito Material


- Banco de horas (válido também mediante acordo individual – para o lapso de 6 meses)


- Trabalho temporário (ampliado para 180 dias, consecutivos ou não, podendo-se ampliar por mais 90 dias – nos termos da Lei n. 13.429/17)


- Trabalho a tempo parcial (ampliado para 36 horas semanais – com possibilidade de trabalho em horas extras)


- Mantém a recuperação judicial (Lei n. 11.101/05)


- Terceirização atividade-fim, com responsabilidade apenas subsidiária do tomador, prevendo “quarteirização”


- Trabalho intermitente, sem garantia sequer do recebimento do salário mínimo


- Negociado sobre o legislado, sem garantia efetiva para um questionamento na Justiça


- Dificulta a configuração do grupo econômico (exige controle efetivo)


- Prescrição com compreensão restritiva (intercorrente – e pronunciamento de ofício)


- Legaliza a jornada de 12x36 por acordo individual – com possibilidade, ainda, de realização de horas extras, suprimindo DSR e feriados


- Teletrabalho (sem limitação da jornada, dificulta responsabilização do empregador por acidentes e permite a transferência dos custos ao empregado)


- Limitação das condenações por dano moral (com exclusão de responsabilidade da empresa tomadora dos serviços)


- Prevê a condenação do empregado por dano extrapatrimonial


- Parametrização da indenização por dano moral (ofensa de natureza leve, até três vezes o último salário contratual do ofendido; ofensa de natureza média, até cinco vezes o último salário contratual do ofendido; ofensa de natureza grave, até vinte vezes o último salário contratual do ofendido; ofensa de natureza gravíssima, até cinquenta vezes o último salário contratual do ofendido)


- Cria a figura do “autônomo”, que trabalha com ou sem exclusividade, de forma contínua ou não


- Permite o contrato individual sobre o legislado para o empregado, com nível superior, que receba salário de R$11.062,62 ou mais


- Cria o termo de quitação anual ampla por ajuste extrajudicial, firmando também durante a vigência do contrato


- Permite expressamente e, com isso, até incentiva, as dispensas coletivas e o PDV


- Estabelece mecanismos processuais que, em concreto, impossibilita a anulação das cláusulas de negociação coletiva por ação individual, dificultando a ação coletiva


- Elimina a ultratividade


- Prevê que acordo coletivo prevalecerá sempre sobre a convenção (afronta o princípio da norma mais favorável)


- Sem outras alterações, enfraquece os sindicatos, tornando facultativa a contribuição obrigatória


- Atrai a lógica do Direito Civil como fonte subsidiária, sem restrições do Direito do Trabalho, vendo-se o Direito Civil, inclusive, apenas parcialmente



b) no Direito Processual


- Afastamento da Justiça do Trabalho: julgar conforme Código Civil


- Dificulta a criação de súmulas pelo TST


- Prevê a arbitragem para quem ganha R$11.062,62 ou mais


- Institui a homologação de acordo extrajudicial – estimulando a mediação


- Assistência judiciária gratuita apenas para quem ganha até R$1.659,39


- Exige pedidos certos e com valores especificados


- Impõe o pagamento de honorários periciais, mesmo na assistência gratuita


- Impede o juiz de exigir honorários prévios


- Honorários advocatícios: sucumbência recíproca


- Litigância de má-fé para o reclamante


- Procedimento prévio para a exceção de incompetência


- Ônus da prova no padrão CPC


- Legitima a figura do “preposto profissional”


- Acolhe o incidente de desconsideração da personalidade


- Liquidação da forma mais onerosa para o trabalhador


- Impede a aplicação do IPCA para atualização do crédito do trabalhador


- Acaba com a execução “ex officio”



2. O que a “reforma” não faz:



a) no Direito Material


- Garantir o exercício do direito constitucional de greve


- Regular a proteção contra dispensa arbitrária prevista no inciso I, do art.7º da CF (na “reforma” a proteção só é conferida para quem aceitar diminuir o salário);


- Estimular a atuação de fiscalização pelo Ministério do Trabalho


- Regular, de forma ampliativa, as ações coletivas


- Proibir o exercício de horas extras de forma ordinária (ao contrário, são incentivadas na “reforma” pela facilitação da compensação)


- Punir as agressões reincidentes aos direitos trabalhistas (na “reforma” o instituto da reincidência é ainda, propositalmente, limitado, configurando-se apenas quando a repetição da conduta se dá na mesma relação jurídica)


- Proibir revistas íntimas


- Punir o não pagamento de verbas rescisórias



b) no Direito Processual:

 

- Facilitar a concessão da tutela antecipada


- Prever tutelas específicas para os direitos de personalidade


- Fortalecer as decisões de primeiro grau


- Impedir renúncias em acordos judiciais e cláusulas de quitação ampla



V- Outra reforma seria possível?



Algumas das críticas que têm sido expressas aos críticos da “reforma” vão, sobretudo, na direção de que a resistência às reformas não se faz acompanhada de uma proposta para a solução para os problemas que a reforma visa equacionar: o desemprego e a crise econômica.

Bom, primeiro, as “reformas” do governo Temer, que nem podem ser assim denominadas, como visto, não se direcionam efetivamente à solução desses problemas, ou, ao menos, não são minimamente eficazes para tanto e o fato de não se ter uma alternativa de solução não as torna eficientes, ainda mais quando representam uma pá de cal nas bases democráticas.



A grande questão é que esses problemas não são jurídicos, decorrendo, isto sim, de limitadores do próprio modo de produção capitalista. Quando se tenta resolver um problema, passando ao largo da sua causa, acaba-se preservando o problema. E o pior é quando se busca uma solução que agrava o problema, como se dá na situação em que se procura diminui o custo da produção com a redução dos ganhos dos trabalhadores. Ora, a redução de custos por meio da retração de direitos é um abalo no próprio sentido de cidadania, transformando direitos em números e visualizando pessoas como mercadorias. Além disso, economicamente falando, isso só favorece ao processo de acumulação da riqueza produzida pelo trabalho, o que, interessando a poucas empresas, diminui o consumo e, por consequência, prejudica também os próprios empregadores, sobretudo as micro e pequenas empresas.



Se lembrarmos que 84% dos empregos são gerados por micro e pequenas empresas, as reformas que reduzem direitos, favorecendo ao processo de acumulação da riqueza, só acaba agravando o problema do desemprego, como se tem verificado em todo o mundo, aliás.

As adaptações na legislação podem ocorrer sempre, é claro, mas não se pode confundir adaptação com a introdução de fórmulas precarizantes, como se dá no caso do PL 6787/16, conforme já demonstrado.



A grande questão, no caso brasileiro, é que se está visualizando, como via única, a necessidade de realizar uma reforma em algo que sequer foi integralmente construído e pelos motivos errados. Antes, precisaríamos experimentar a realidade da aplicação generalizada e espontânea dos direitos trabalhistas, sem a introdução de fórmulas ou a criação de estratégias fugidias. Penso que se isso ocorresse já se poderia vivenciar uma realidade bem menos problemática, embora ainda que bem aquém das necessidades de uma efetiva transformação social, para a construção de uma sociedade com eliminação completa das desigualdades e de todas as formas de opressão.



De todo modo, pensando dentro dos marcos do modo de produção capitalista e no contexto da emergência do momento, a mera aplicação da legislação existente, considerando os parâmetros constitucionais, já nos daria grande margem para uma considerável e autêntica reforma, que serviria, ao menos, para minimizar os problemas do desemprego e da má distribuição da renda produzida, favorecendo, inclusive, ao aumento do consumo e a diminuição do custo social com doenças e acidentes do trabalho: a) redução do limite semanal de horas de trabalho, sem redução do salário; b) proibição do trabalho em horas extras, a não ser em situações excepcionais, legalmente previstas; c) proteção contra a dispensa arbitrária; d) proibição de dispensas coletivas, sendo, necessariamente, submetidas, em última instância, a planejamento e a procedimentos de reinserção; e) eliminação da terceirização, sobretudo, no setor público; f) liberdade sindical; g) garantia do exercício do direito de greve; h) seguro obrigatório contra acidentes do trabalho; i) participação efetiva dos trabalhadores na gestão da empresa; j) regular funcionamento da fiscalização do trabalho; l) punição do devedor contumaz da legislação trabalhista, dentre outras[xxxv].



Além disso, mesmo para que essas reformulações ganhassem algum sentido, seria necessário que estivessem inseridas em um contexto mais amplo de reformas interligadas, como se pretendeu fazer em 1962, nas Reformas de Base, do que resultou, inclusive, a elaboração de um anteprojeto de Código do Trabalho, elaborado por comissão composta por Evaristo de Moraes Filho, Mozart Victor Russomano e Arnaldo Lopes Süssekind, publicado no Diário Oficial de 23 de abril de 1963, adicionando-se a tudo isso o estabelecimento de vias eficientes para uma necessária e democrática participação popular.



Como já tive oportunidade de sustentar em 2000:



“Desviando-se o enfoque do problema do desemprego, exclusivamente, para a questão dos encargos trabalhistas, o Brasil tem abandonado suas potencialidades de criação de emprego, ampliando as condições de exclusão[xxxvi], a saber: a) incentivo ao turismo[xxxvii]; b) reforma agrária; c) redistribuição da riqueza; d) melhorar a educação; e) incentivo à produção agro-pecuária; f) melhoria da produtividade, com melhoria da educação. Quanto à educação, destaque-se que 63% da mão-de-obra empregada no Brasil não chegou a completar o primeiro grau[xxxviii]; g) linha de crédito para as microempresas[xxxix] [xl]. As microempresas, aliás, são as que mais empregam no Brasil e segundo visão de Herbert de Souza, são a única saída para o problema do desemprego[xli]. Destaque-se que isso já dizia Rousseau: "O trabalho em pequena escala, não a indústria organizada e em grande escala, é para êle a base. É o que êle preza, contra tôda forma da capitalismo ou de comunismo organizado, renovando a prescrição paulina: 'Aquele que come na ociosidade o que não ganhou por si, rouba'."[xlii]; h) melhoria da economia nacional como um todo.”[xliii]
(....)


“Há vários aspectos que interferem na economia nacional. Coisas simples que convivem conosco diariamente, sem que nos apercebamos do grande mal econômico que causam em nossa sociedade. Alguém já parou para pensar quantas pessoas - empregadas ou trabalhadoras autônomas - podem estar improdutivas em um determinado momento, em nossa sociedade, enfrentando uma fila, seja numa repartição pública, seja num Banco. Acabar com as filas, este talvez pudesse ser uma plataforma política, pois que pressupõe geração de novos empregos (mais caixas trabalhando nos Bancos) e maior produção econômica, gerando divisas para o país. Imaginemos, agora, o trânsito nas grandes capitais brasileiras. Quanta força produtiva não se perde diariamente neste acidente tecnológico? O IPEA - Instituto de Pesquisa e Tecnologia Aplicada - preocupou-se com isso, e concluiu que nas 10 maiores capitais do Brasil, a lentidão no trânsito gera um prejuízo estimado na ordem de R$474 milhões por ano, sendo R$346 milhões apenas na grande São Paulo[xliv]. A demora no trânsito, ademais, não provoca apenas um problema de perda de tempo, mas também de perda de saúde, afetando a produtividade, entre 14 e 20%.” [xlv]


(....)
“O tema é sério e gera muitas repercussões sociais. Destaca a Associação Comercial do Estado de São Paulo que o desemprego é a maior causa de inadimplências no comércio, conforme pesquisa feita[xlvi]. Segundo o Departamento de Investigação sobre Narcotráfico de São Paulo, a "elevação do desemprego está produzindo o aumento do tráfico de drogas em São Paulo"[xlvii]. Conforme pesquisa apresentada no livro "O Adolescente e o Ato Infracional", organizado por Mário Volpi, 2/3 das pessoas presas com menos de 21 anos não possui o primeiro grau completo e não tem emprego[xlviii].


O problema do desemprego deve ser tratado com eficiência. Não se pode reduzi-lo a resultado de uma mera operação matemática: menor custo do trabalho, menor desemprego, pois que isso representa um engodo, que não elimina o problema e, por causa da precarização das relações de trabalho, gera outro problema, qual seja, o aumento do fosso (um verdadeiro abismo) entre ricos e pobres, aumento a cada dia o número de pobres." [xlix]


(....)
“....não é privilegiando o desenvolvimento econômico que se trilha o caminho da justiça social[l], até porque não há uma relação direta e imediata de crescimento econômico com justiça social. Crescimento econômico não representa, de forma inexorável e na mesma proporção, um desenvolvimento social[li].


Com efeito, em 1996, os Bancos tiveram lucros exorbitantes, e mesmo assim mantiveram política de corte de pessoal. O Bradesco, por exemplo, no ano de 1996 obteve um lucro de R$824,4 milhões e mesmo assim seu número de empregados foi reduzido de 52.886 para 45.871[lii].”[liii]



É preciso, pois, que se preservem instituições estatais para que, funcionando adequadamente, possam conferir à população a certeza da existência de um projeto em favor de todos, para que a sonegação aos impostos deixe de ser uma regra e para que, também, o desvio de finalidade do “dinheiro público” passa a ser severamente punido e não institucionalizado, como se dá, por exemplo, desde a década de 90, com o mecanismo das Desvinculações das Receitas da União (DRU), pelo qual se vem desviando, para o pagamento da dívida pública, receitas que seriam da Seguridade Social. Só em 2015, essa desvinculação foi da ordem de R$ 63 bilhões, segundo a ANFIP[liv].

É importante, também, realizar uma reforma tributária, para que os ganham mais paguem mais, e os que ganham menos paguem menos, mas é essencial uma mudança de mentalidade para que o caixa 2 não seja mais considerado como algo natural ou, até mesmo, como uma espécie de “instituição nacional”.



É preciso estipular mecanismos de controle de entrada e saída do capital, para que o capital produzido no Brasil seja vertido em proveito da nação brasileira, sendo que as contribuições sociais constituem a fórmula básica para tanto, desde que, claro, sejam devidamente empregadas para a prestação de serviços públicos de qualidade.



E, antes de tudo, é essencial romper com o racismo, o machismo, a intolerância e o individualismo destrutivo, para que se possa, inclusive, admitir a lógica da solidariedade e se comprometer com ela. 



Existem, portanto, muitas (e tantas outras poderiam ser mencionadas) reformas necessárias para que, enfim, constituamos uma nação, nos moldes em que se começou a delinear na Constituição de 1988.



E, no entanto, os “modernos” estão por aí, valendo-se da quebra institucional e do autoritarismo midiático, para tentar impor um retrocesso à década de 90 que, sem parâmetros, vai nos conduzir ao século XIX. Mantendo todos os problemas sociais, políticos, culturais, educacionais e econômicos brasileiros, querem consertar o Brasil aumentando o número de terceirizados e proporcionando um nível mais elevado da exploração do trabalho.



É inconcebível que com tanta gente séria e competente no Brasil essa gama de alterações na sociedade esteja sendo conduzida, unicamente, por um Parlamento sob o qual pende acusações explícitas de corrupção, sem que ouçam aqueles (e não são poucos) que, nos diversos campos do saber e, em especial, na economia, sociologia, medicina, educação, psicologia e direito do trabalho, dentre outros, vêm há décadas estudando as relações de trabalho no Brasil, formulando proposições consistentes e independentes.

O fato concreto é que as “reformas” trabalhistas propostas no PL 6787/16, porque sequer atacam os problemas, só servem para agravar a crise nacional, até porque, repita-se, essa mesma “solução” é a que se vem tentando desde a década de 60, sendo que, de fato, em momento algum, experimentamos um pouco da lógica institucional de um Estado Social.

Por outro lado, o ataque desmedido e ofensivo que se tem difundido contra os direitos dos trabalhadores, que, ao mesmo tempo, visa destruir as próprias bases do modelo social, vindo, exatamente, de quem mais se aproveita dele, serve, ao menos, para demonstrar o quanto pode ser ilusória a crença nas potencialidades de melhoria progressiva da condição social dos trabalhadores por meio do Direito do Trabalho, mesmo no contexto do Estado Social, valendo lembrar que toda essa tentativa de imposição de retrocessos – e de sofrimentos – se deu, exatamente, por conta do pouco que, nos últimos anos, se experimentou de avanço jurídico nos planos jurisprudencial e doutrinário, isto porque, do ponto de vista legislativo, os ataques – que incluíram propostas de “reformas”, quase tão nefastas quanto esta – e as perdas não cessaram nos governos petistas (vide, p.ex. a Lei n. 11.101/05, assim como a preservação de todas as medidas de flexibilização criadas na década de 90 e o aumento vertiginoso da terceirização, sobretudo no setor público).



VI- Conclusão



Fácil verificar, portanto, que a reforma trabalhista levada ao Congresso Nacional, fora de qualquer parâmetro democrático, tem a pretensão de impor uma enorme derrota aos trabalhadores, como se tivessem sido eles, ao longo da história do Brasil, grandes privilegiados e como se fossem, em razão de seus direitos (que nunca foram de fato cumpridos), os culpados da crise econômica.



A reforma, assim, dá passos decisivos para o desmonte total do que ainda resta de projeto de Estado Social Democrático de Direito no Brasil, e que nunca chegamos a experimentar.

Parte considerável da população começa a se dar conta de tudo que gira em torno dessa suposta “reforma” trabalhista, assim como do que se passa com a reforma previdenciária, e, como revelado na greve geral do dia 28/04, a maior da história do Brasil, que foi chamada por todas as centrais sindicais e que contou com a participação estimada de 35 milhões de pessoas, atingindo todas as regiões do país[lv], tendo sido integrada, também, por vários movimentos sociais e por relevante parcela da juventude organizada, já deu o recado de que não está disposta a permitir que esse autêntico golpe para a destruição de direitos sociais se consagre, sendo que pode muito mais, afinal de contas, ao que tudo indica, 2013 não acabou.



Sendo assim, aos agentes do desmonte institucional e do retrocesso, fica o recado: “Não cante vitória muito cedo, não" (Belchior).


 
São Paulo, 1º de maio de 2017.



[i]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. “Impeachment, corrupção, hipocrisia e terceirização.” Inhttps://blogdaboitempo.com.br/2015/03/13/impeachment-corrupcao-hipocrisia-e-terceirizacao/


[ii]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. “Participação popular o atentado à classe trabalhadora.” Inhttps://blogdaboitempo.com.br/2014/09/29/sut-participacao-popular-ou-atentado-a-classe-trabalhadora/


[iii]http://pmdb.org.br/wp-content/uploads/2015/10/RELEASE-TEMER_A4-28.10.15-Online.pdf


[iv]http://radioagencianacional.ebc.com.br/politica/audio/2015-12/processo-de-impeachment-de-dilma-comeca-tramitar-na-camara


[v]. E já era possível vislumbrar o quanto os direitos trabalhistas estavam em risco: SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. “2015: velhos ataques e novas resistências.” Inhttp://www.jorgesoutomaior.com/blog/2015-velhos-ataques-e-novas-resistencias


[vi]http://oglobo.globo.com/brasil/fiesp-ciesp-apoiarao-impeachment-da-presidente-dilma-18293920, acesso em 14/07/16.


[vii]. http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,esperamos-ajuste-sem-aumento-de-impostos,10000026350


[viii]. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1772725-ministros-do-governo-temer-sao-alvo-de-investigacoes-alem-da-lava-jato.shtml


[ix]. http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/05/reforma-trabalhista-e-para-segundo-momento-diz-ministro-do-trabalho.html


[x]. http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/05/reforma-trabalhista-e-para-segundo-momento-diz-ministro-do-trabalho.html


[xi]. CARNEIRO, Mariana, WIZIACK, Júlio e CRUZ, Valdo. “Empresários marcam ato de apoio a Temer.” Folha de S. Paulo, 8 de junho de 2016, p. 1 – Mercado.


[xii]http://www.redetv.uol.com.br/jornalismo/marianagodoyentrevista/blog/blog-do-programa/precisamos-readequar-a-legislacao-trabalhista-diz-ministro-do-trabalho, acesso em 18/06/16.


[xiii]http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2016/06/ministro-eliseu-padilha-diz-que-lava-jato-deve-saber-hora-de-parar.html, acesso em 18/06/16.


[xiv]http://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2016/06/eliseu-padilha-defende-acabar-com-a-clt-como-solucao-para-a-201ccompetitividade201d-2592.html, acesso em 18/06/16.


[xv]http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/07/cni-elogia-meta-fiscal-de-2017-mas-se-diz-contra-aumento-impostos.html, acesso em 11/07/16.


[xvi]http://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/em-nota-cni-tenta-corrigir-declaracao-de-presidente-sobre-80-horas-semanais-de-trabalho-70242/, acesso em 11/07/16.


[xvii]http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/07/1793537-governo-enviara-ao-congresso-ate-final-do-ano-tres-propostas-trabalhistas.shtml, acesso em 22/07/16.


[xviii]. http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/08/temer-defende-reforma-trabalhista-e-diz-que-e-saida-para-manter-empregos.html, acesso em 27/08/16.


[xix]. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/09/1813456-temer-diz-que-nao-e-idiota-de-eliminar-direitos-trabalhistas.shtml


[xx]. http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/modernizacao-da-legislacao-trabalhista-fica-para-2017-diz-ministro.html


[xxi]. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/12/1840250-nome-de-temer-e-citado-43-vezes-em-delacao-de-executivo-da-odebrecht.shtml


[xxii]. <http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/noticia/2016/12/17/jornada-flexivel-de-trabalho-ainda-nao-e-consenso-afirmaministro-
263953.php>.


[xxiii]. http://exame.abril.com.br/brasil/moro-aceita-primeira-denuncia-da-lava-jato-em-2017/


[xxiv]. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/03/1863246-camara-reabre-debate-sobre-terceirizacao.shtml?cmpid=softassinanteuol


[xxv]. http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=20794


[xxvi]. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/03/1868327-autorizada-pelo-stf-nova-fase-da-lava-jato-cumpre-mandados-no-nordeste.shtml


[xxvii]. http://g1.globo.com/politica/operacao-lava-jato/noticia/a-lista-de-fachin.ghtml
[xxviii]. O mesmo argumento que já havia sido aventado como fundamento da apreciação do processo de julgamento da chapa Dilma-Temer:

http://veja.abril.com.br/politica/estabilidade-do-pais-influira-em-decisao-sobre-temer-diz-gilmar/


[xxix]. Lembre-se, a propósito, de que, em 2012, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentou um paper com o título, “101 Propostas para Modernização Trabalhista”, tendo por objetivo explícito defender a redução dos “altos custos” do emprego formal, vistos como um dos mais graves entraves ao aumento da competitividade das empresas brasileiras. Mantendo a já antiga crítica à “vetusta CLT”, a entidade ataca as posições assumidas pelo Tribunal Superior do Trabalho nos últimos anos, acusando-as de “irracionais”.


[xxx]. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,em-3-anos-principais-empresas-citadas-na-lava-jato-demitiram-quase-600-mil,70001748171


[xxxi]. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/04/1877775-brasil-ganhara-se-for-possivel-manter-governo-ate-2018-diz-socio-da-natura.shtml


[xxxii]. Roda Viva, da TV Cultura.


[xxxiii]. Art. 3º - “§ 2º O negócio jurídico entre empregadores da mesma cadeia produtiva, ainda que em regime de exclusividade, não caracteriza o vínculo empregatício dos empregados da pessoa física ou jurídica contratada com a pessoa física ou jurídica contratante nem a responsabilidade solidária ou subsidiária de débitos e multas trabalhistas entre eles.”


[xxxiv]http://radioagencianacional.ebc.com.br/economia/audio/2015-02/micro-e-pequenas-empresas-geram-84-dos-empregos-do-pais
[xxxv]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. “Os efeitos das reformas trabalhistas propostas”. Inhttp://www.jorgesoutomaior.com/blog/viii-os-efeitos-das-reformas-trabalhistas-propostas


[xxxvi]. Márcio Pochmann, "Políticas macroeconômicas e o desemprego", Jornal O Estado de São Paulo, ed. de 18/03/98, p. B-2.


[xxxvii]. José Pastore, "O emprego no turismo", Jornal O Estado de São Paulo, ed. de 31/-3/98, p. B-2.


[xxxviii]. Pesquisa feita pelo IBGE, conforme noticiado no Jornal Folha de São Paulo, ed. de 26/08/98, p. 3-3.


[xxxix]. Conforme Editorial do Jornal O Estado de São Paulo, ed. de 24, de janeiro de 1998, p. A-3.


[xl]. A Lei n. 8.864, de 28 de março de 1994, apenas confere às microempresas e às empresas de pequeno porte uma forma mais simples de cumprimento de suas obrigações tributárias, previdenciárias e trabalhistas.


[xli]. "Microempresa: única solução", Jornal Folha de São Paulo, ed. de 27/06/97, p. 1-3.


[xlii]Apud Felice Battaglia, Filosofia do trabalho. São Paulo, Saraiva, 1958, p. 148.


[xliii]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. O direito do trabalho como instrumento de justiça social. São Paulo: LTr, 2000, pp. 177-178.


[xliv]. "Congestionamento faz produtividade cair 20%", Jornal o Estado de São Paulo, ed. de 26/06/98, p. C-1.


[xlv]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. O direito do trabalho como instrumento de justiça social. São Paulo: LTr, 2000, pp. 178-179.


[xlvi]. Jornal O Estado de São Paulo, ed. de 2/06/98, p. B-5.


[xlvii]. Gilberto Dimenstein, in Folha de São Paulo, ed. de 10/04/98, p. 3-1.


[xlviii]. Gilberto Dimenstein e Fernando Rossetti, Jornal Folha de São Paulo, ed. de 21/06/98, p. 3-1.


[xlix]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. O direito do trabalho como instrumento de justiça social. São Paulo: LTr, 2000, pp. 180-181.


[l]. Idem, p. 36.


[li]. Vide, a propósito, Novas tendências do direito do trabalho. São Paulo: LTr, 1974, p. 18.


[lii]. Folha de São Paulo, ed. de 09/03/97, p. 2-14.


[liii]. SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. O direito do trabalho como instrumento de justiça social. São Paulo: LTr, 2000, pp. 184.


[liv]https://www.youtube.com/watch?v=cz6xBUkujD0, acesso em 27/02/17.


[lv]Acre: Rodoviários; Alagoas: Professores da educação pública e particular; Bancários; Funcionalismo público federal; Trabalhadores de empresas de transporte público de Maceió; Amapá: Bancários; Rodoviários; Profissionais da educação; Técnicos da Universidade, Servidores Federais; Servidores da Justiça; Servidores do MP; Polícia Civil; Professores da Universidade Federal; Urbanitários; Amazonas: Professores universitários; Petroleiros; Rodoviários; Bancários (bancos públicos); Vigilantes; Polícia Civil; Construção civil; Bahia: Policiais civis; Professores da rede pública de ensino; Trabalhadores em saúde da rede pública; Rodoviários de Salvador e Região Metropolitana; Comerciários de Salvador, Irecê, Itabuna e Ilhéus; Bancários de todas as bases sindicais da Bahia; Metalúrgicos; Servidores do Judiciário estadual e federal Trabalhadores da construção civil; Técnicos administrativos das universidades federais; Servidores públicos municipais de Itabuna; Petroleiros; Servidores públicos estaduais; Ceará: Bancários; Profissionais de setores essenciais, como transporte, saúde e educação; Comerciários; Transportes coletivos; Construção civil; Metalúrgicos; Distrito Federal; Servidores públicos federais; Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino; Bancários; Empregados no Comércio Hoteleiro, Restaurantes, Bares e Similares; Trabalhadores federais em saúde previdência e assistência social no distrito federal; Professores das entidades de ensino particulares; Radialistas; Trabalhadores Empresas de Transportes Terrestres de Passageiros Urbanos; Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília; Servidores do DETRAN; Trabalhadores de Limpeza Urbana do Distrito Federal; Aeroportuários; Trabalhadores em Embaixadas, Consulados e Organismos Internacionais; Distrito Federal: Rodoviários; Metroviários; Bancários; Sinproep-DF (Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal); Espírito Santo: Professores; Portuários; Comerciários; Bancários; Metalúrgicos; Servidores públicos; Construção civil; Rodoviários; Enfermeiros(as) e psicólogos(as); Goiás: Professores municipais de Anápolis; SIMPMA; Trabalhadores em Empresas de crematório e Cemitérios SINEF; Limpeza Urbana Stilurbs; Servidores Públicos; Técnicos e trabalhadores nas Universidades e Institutos Federais de Ensino Sintifesgo –Goiás; Maranhão: Rodoviários; Metalúrgicos; Sintema; Simproeesema; Vigilantes; Sindicatos da pesca; Sindicatos rurais; Panificação; Mato Grosso: Servidores públicos estaduais; Servidores da Educação Pública; Bancários; Trabalhadores dos transportes públicos; Servidores de diferentes esferas do Judiciário; Minas Gerais: Servidores públicos; Trabalhadores da agricultura; Bancários; Trabalhadores em educação; Docentes da PUC/Minas; Metalúrgicos, Petroleiros; Trabalhadores da Saúde; Professores da rede privada e da rede pública; Rodoviários; Trabalhadores do Poder Judiciário; Metroviários; Pará: Portuários, Bancários; Construção Civil; Comerciários; Servidores Públicos; Trabalhadores na Educação; Paraíba: Bancários; Comerciários; Construção civil; Correios; Ferroviários; Frentistas; Motoristas e cobradores; Policiais civis; Portuários; Professoras da rede privada de ensino; Professoras e servidores da UEPB; Professoras e servidores da UFPB; Professores da rede pública de ensino; Professores e técnicos administrativos do IFPB; Servidores da Justiça Federal; Trabalhadores da Fundac; Trabalhadores da limpeza urbana; Trabalhadores e trabalhadoras rurais; Urbanitários; Paraná: Trabalhadores da limpeza urbana; Professores e Trabalhadores das escolas municipais e estaduais; Motoristas e cobradores; Servidores públicos; Guardas municipais; Auditores fiscais; Auditores da Câmara; Pernambuco: Bancários; Metroviários; Policiais civis; Servidores da Assembleia Legislativa de Pernambuco; Guardas municipais; Professores do setor público e privado; Rodoviários; Metalúrgicos; Polícia Civil; Servidores do Ministério Público de Pernambuco (MPPE); Professores da UPE; Professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Trabalhadores da Previdência Social; Professores da rede municipal do Recife; Trabalhadores dos Correios; Petroleiros; Servidores Municipais do Paulista; Servidores Administrativos Fazendários; Servidores da Universidade de Pernambuco; Servidores do Poder Judiciário; Trabalhadores em Processamento de Dados das empresas federais, estaduais, municipais e de empresas privadas; Trabalhadores Químicos; Trabalhadores de Estabelecimentos de Ensino da Rede privada; Trabalhadores Públicos da Agricultura e Meio Ambiente do Estado de Pernambuco; Trabalhadores Portuários; Professores de Jaboatão dos Guararapes; Trabalhadores em Educação de Pernambuco; Servidores Municipais do Recife; Enfermeiros; Servidores Federais; Servidores estaduais da administração direta e indireta; Agentes Comunitários do Recife; Assistentes Sociais; Psicólogos; Farmacêuticos; Odontologistas; Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais; Agentes de Segurança Penitenciária e Servidores do Sistema Penitenciário; Auxiliares e Técnicos de Enfermagem de Pernambuco; Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal; Associação dos Profissionais de Educação Física; Trabalhadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Trabalhadores da Construção Pesada; Trabalhadores em Asseio e Conservação; Condutores de Ambulância de Pernambuco; Sindicato dos Porteiros; Vários servidores públicos municipais, como por exemplo, de Buíque, São Bento do Uma, Bezerros, Abreu e Lima, Riacho das Almas, Iato, Exu, São Vicente Férrer, Tacaimbó. Tupanatinga, Sertânia, Moreno, Gravatá; Piauí: Professores do setor público e privado; Servidores da saúde pública; Correios; Rodoviários; Metroviários; Comerciários; Servidores públicos municipais; Servidores judiciários federais; Rio de Janeiro: Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (SinproRio); Radialistas trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia); Bancários Rio; Bancários Teresópolis; Bancários Baixada; Bancários Campos; Petroleiros Norte Fluminense (Sindipetro-NF); Educadores Municipais e Estaduais (Sepe-RJ); Docentes da UFRRJ (Adur-RJ); Trabalhadores em Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Sintur-RJ); Docentes do Cefet (Adcefet-RJ); Servidores da Fundação Oswaldo Cruz (Asfoc SN); Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Sindsprev-RJ); Professores da UFRJ (Adufrj); Servidores da UFRJ (Sintufrj); Trabalhadores dos Correios (Sintect-RJ); Servidores Técnico-Administrativos CEFET-RJ (Sintecefetrj); Docentes da UFF (Aduff); Servidores da UFF (Sintuff); Docentes da UERJ (Asduerj); Petroleiros Rio de Janeiro já aprovaram greve nos terminais de Ilha D`água e Ilha Redonda (demais setores ainda realização assembleia); Petroleiros Duque de Caxias; Rodoviários do Rio de Janeiro; Rio Grande do Norte: Petroleiros; Bancários; Comerciários; Vigilantes; Correios; Ferroviários; Trabalhadores têxteis; Confecções; Policiais civis; Aguas e esgotos; Docentes da UFRN; Docentes do IFRN; Trabalhadores do TRT; Municipais de Natal; Municipais de Parnamirim; Municipais de Caicó; Saúde; Trabalhadores da limpeza urbana; Trabalhadores rurais; Tocantins: Trabalhadores em educação física; Agentes de saúde; Farmacêuticos; Professores da rede estadual; Bancários; Enfermeiros; Servidores do Ministério Público; Servidores estaduais; Trabalhadores da saúde; Mototaxi; Taxistas; Eletricitários; Garçons; Servidores Municipais de Palmas e Araguaina; Psicólogos; Inspetores de defesa agropecuária; Motoboys; Comerciários; Trabalhadores Rurais; Auditores fiscais; Funcionários da Justiça; Jornalistas; Servidores Federais; Rio Grande do Sul: Metroviários – Sindmetro/RS – TRENSURB; Rodoviários; Bancários de Porto Alegre; Trabalhadores dos Correios; Trabalhadores de Informática – Sindppd RS; Trabalhadores do Judiciário Federal; Aquaviarios; Professores da Rede Privada de Porto Alegre; Trabalhadores da Construção Civil; Sindicato Estadual das secretárias; Motoboys; Trabalhadores rurais; Empregados de Transporte de Valores; Empregados em Clube de Futebol; Caminhoneiros; Servidores públicos federais ( sindiserf); Professores e Funcionários da Educação estadual (CPERS); Metalúrgicos; Trabalhadores do Judiciário estadual; Trabalhadores do INSS e da Saúde Federal – Sindisprev; Servidores da UFRGS, Institutos Federais e UFCSPA-  Assufrgs; Professores da UFRGS; Trabalhadores da Prefeitura de Porto Alegre – Simpa; Professores Municipais de Novo Hamburgo, São Leopoldo, Canoas, Sapucaia e Esteio; Policiais Civis, federais e rodoviários federais votaram paralisação; Trabalhadores representados pelo Semapi ( SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES E PESQUISAS E DE FUNDAÇÕES ESTADUAIS DO RIO GRANDE DO SUL); Trabalhadores do Serviço Público Estadual representados pelo Sindsepe-RS; Rondônia: Servidores da educação pública do estado; Servidores públicos federais; Bancários; Roraima: Saúde; Enfermeiros; Correios; Urbanitários; Bancários; Servidores do Estado; Santa Catarina: Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Saúde Pública Estadual e Privado de Florianópolis e Região (Sindsaúde-SC); Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte-SC); Trabalhadores e Professores da UFSC; Rodoviários de Blumenau; Sindicatos dos servidores de Blumenau, Florianópolis e Joinville; Trabalhadores dos Correios; Bancários; São Paulo: Metroviários SP; Metalúrgicos SP; Rodoviários SP; Sintusp – Trabalhadores da USP; ADUSP – Associação dos Docentes da USP; Sindiquinze – Servidores do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas; Professores Estaduais; Educadores Municipais; Professores da rede privada; Sintaema – Trabalhadores da Sabesp, Cetesb e Fundação Florestal; Eletricitários; Bancários; Portuários de Santos; Rodoviários de Santos; Correios SP; Portuários ES; Sindsef – Servidores Federais; Sinsprev; Sintrajud – Judiciário Federal; Judiciário Estadual; Siemaco Baixada Santista; Químicos SP; Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil; Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais da Área de Ciência e Tecnologia do Setor Aeroespacial – SINDCT; SINDPD – Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo; Trabalhadores e estudantes da Unesp de Presidente Prudente; Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais de Diadema – SINDEMA; Professores Francisco Morato; Professores Jundiaí; Professores estaduais, municipais e universitários de Sorocaba; Químicos da Zona sul da capital, Cotia, Barueri, Osasco, São Bernardo do Campo; Metalúrgicos do ABC, Jundiaí, Sorocaba, São Carlos e Vale do Paraíba; Bancários de São Paulo, Osasco e região; Mogi das Cruzes; Campinas; Sorocaba; Petroleiros das Refinarias de Paulínia (Replan), Capuava (Recap) de São José dos Campos e Cubatão; e terminais de Guarulhos, Guararema, Barueri , São Caetano, Ribeirão Preto, São Sebastião e Caraguatatuba; Comerciários de Osasco e Sorocaba; Guarda Civil e UBS’s de Jundiaí; Construção Civil de Bauru e Botucatu; Eletricitários de Campinas; Trabalhadores da Saúde e Previdência do Estado de São Paulo; Trabalhadores de Asseio em Conservação e Limpeza Urbana da Baixada Santista; Trabalhadores em entidades de assistência à criança e ao adolescente; Sergipe: Bancários; Auditores fiscais tributários; Servidores públicos estaduais; Construção civil; Enfermeiros; Trabalhadores rurais.

 

 

 
22/12/16

Campanha de apoio ao Sintusp

Brasil: Apoie os trabalhadores da USP – Universidade de São Paulo!Na linha da onda repressiva aos direitos trabalhistas que assola o país, o presidente da Universidade de São Paulo (USP), Marco Antônio Zago, levou adiante de forma radical seu declarado projeto de eliminar o sindicalismo da universidade. 

Campanha em parceria com a CSP Conlutas, central sindical nacional brasileira combativa, de classe, independente e internacionalista, e o SINTUSP que representa 14 mil trabalhadores na USP - a Universidade de São Paulo.Em abril desse ano, a reitoria tentou expulsar os trabalhadores do sindicato de sua sede na USP, os trabalhadores enfrentaram e impediram que o sindicato fosse expulso da USP. No entanto, dia 9/12, aproveitando-se do período das férias, como já se tornou tradição na USP para o cometimento de atos arbitrários, a Reitoria obteve liminar judicial para a reintegração de posse, via intervenção militar, do prédio que o SINTUSP ocupa na universidade desde a sua fundação, nos anos 60.

www.LabourStart.org/SINTUSP

 

O SINTUSP é sediado na universidade desde a sua fundação. A última vez que um presidente tentou expulsar o sindicato foi em 1979, durante a ditadura militar. Agora, sob a "democracia" de Zago, o sindicato está sendo despejado sem qualquer negociação e sem qualquer base administrativa ou legal.
Esta é uma declaração de guerra contra os trabalhadores da USP e, ao mesmo tempo, uma declaração de guerra contra a comunidade acadêmica e o direito básico de organização sindical de toda a classe trabalhadora. Cabe ressaltar também atos antissindicais como as demissões políticas de dirigentes sindicais, bem como inúmeros processos absurdos movidos pela atual reitoria contra dirigentes e militantes do SINTUSP, com a finalidade de implementar seu projeto de destruir o Sindicalismo na USP!

Clique aqui e leia mais [Click here to read more]

 
04/10/16

Acórdão do Dissídio da Greve 2016

SAIU ACÓRDÃO DO TRT!AGORA É SÓ PAGAR!!!

 

Ontem, em reunião do Sintusp com representantes da reitoria, o professor Prof. Dr. Marcelo Dottori (coordenador da CODAGE) e o Dr. Salvador do DRH assumiram dois compromissos:

 

1)   Que os novos descontos que apareceram na folha de pagamento de outubro, referente a setembro, não devem ser considerados, pois esta folha havia sido rodada antes da decisão do TRT.

 

2)   O Pagamento dos salários e benefícios cortados durante a greve de mais de 460 funcionários serão devolvidos quando for publicado o acórdão do TRT, quando haverá nova reunião com o sindicato.

Entretanto, logo após a reunião, o acórdão foi publicado e o Sintusp já está procurando a CODAGE para marcar a referida reunião.

O acórdão, na íntegra, está disponível [clique aqui para ler]

Destacamos alguns trechos do acórdão:

 

“RELATÓRIO

                                                              Trata-se de Dissídio Coletivo de Greve instaurado por SINDICATO DOS TRABALHADORES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO em face da UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO.”

(...)

 

MÉRITO

Legalidade da Greve

A USP alega que a deflagraçãoda greve não respeitou os requisitos previstos na Lei nº 7783/89, por ter sido deflagrada antes do início das negociações, conforme comunicado enviado por e-mail pelo Reitor aos servidores e alunos da Universidade de São Paulo, em 11 de maio de 2016. Aduz que também não houve a manifestação dos servidores da Universidade em assembleia constituída, para o fim de deliberar sobre a deflagração ou não da greve. E, por fim, afirma que a Universidade não foi comunicada, com a antecedência prévia exigida pela Lei, acerca do início do movimento paredista.

A Greve é prevista na Constituição Federal como direito fundamental dos trabalhadores, sendo instrumento legítimo de reivindicação da melhoria da condição social do trabalhador, conforme disposto no caput do art. 7º da Carta Magna. Instrumento de pressão, que visa a propiciar o alcance de certo resultado concreto.

No caso dos autos, embora seja impossível o alcance do resultado pretendido por meio de dissídio coletivo, isso não afasta a legitimidade do movimento paredista.

E quanto às irregularidades apontadas pela suscitada, entendo que não procedem, pois o sindicato juntou ata de assembleia, na qual foi deliberada a greve pelos trabalhadores e quanto à antecedência mínima da notificação, esta Seção de Dissídios Coletivos tem relevado tais formalidades, quando o movimento paredista não se mostra abusivo, como no presente caso.

Considero, então, obedecidas às formalidades legais e declaro a legalidade do movimento e não abusiva a greve, nos termos art. 14, parágrafo único, I, da Lei nº 7.783/1989.

Como consequência, determino o pagamento dos dias parados a contar de 12 de maio de 2016, conforme art. 7º, da citada Lei de Greve.

Ressalvo eventuais direitos e interesses de terceiros, tendo em vista o disposto no art. 15, da Lei nº 7.783/1989.

Concedo estabilidade aos trabalhadores desde a deflagração do movimento paredista até 90 dias após o julgamento do presente dissídio coletivo, de acordo com o PN nº36 da SDC deste TRT.”

24/03/16

Manifesto do Movimento pela Ciência e Tecnologia Públicas

Manifesto do Movimento pela ciência e Tecnologia Públicas

A sociedade brasileira tem sido submetida a uma agenda regressiva no plano político e social, que se expressa num conjunto de projetos de lei, emendas constitucionais  e medidas provisórias que atacam direitos constantes da Constituição de 1988. Este é o caso da imposição de agendas privatizantes ao ensino superior e à pesquisa pública por meio da Lei 13.243/2016, denominada "Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação".

Análise criteriosa da referida lei mostra ter sido urdida com a participação de parte da comunidade científica, sobretudo dos ditos "acadêmicos empreendedores", que somaram forças com empresas privadas na busca de flexibilizar o Complexo Público de Ensino Superior e de Pesquisa Brasileiro, com o objetivo de se apropriarem de maior parcela dos recursos públicos gastos em Pesquisa de Desenvolvimento (P&D).

A Lei 13.243/2016 permite a criação de Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICT) como órgãos públicos ou pessoas jurídicas de direito privado "sem fins lucrativos", inclusive sob forma de Organizações Sociais (OS), bem como a criação de Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) de direito privado no interior das instituições públicas, para o desenvolvimento de atividades de pesquisa. Essas Instituições poderão:

i) receber recursos públicos dos entes federados e de fundações ditas "de apoio" para a cobertura de todas as suas despesas;

ii) utilizar de pessoal e recursos públicos em atividades de pesquisa para empresas privadas;

iii) utilizar infraestrutura e recursos públicos em atividades de pesquisa para empresas privadas.

A Lei 13.243/2016 implica em mudanças regressivas no Complexo Público de Ensino Superior e de Pesquisa Brasileiro, dentre as quais destacam-se:

I) aumento da transferência do fundo público para empresas privadas e substituição de instituições públicas (estatais) de pesquisa por OS, apontando para a diminuição de concursos públicos para a carreria de professores universitários e pesquisadores;

II) docentes e pesquisadores das instituições públicas (estatais) poderão assumir funções de diretores/presidentes de OS  que desenvolvam atividades de pesquisa e inovação tecnológica, auferindo rendimentos por atividades realizadas nos setores público e privado. Isso impactará negativamente o trabalho de docência e de pesquisa, principalmente o regime de Dedicação Exclusiva (DE);

III)  professores e pesquisadores pagos com recursos públicos poderão atuar em empresas, podendo resultar num aparente crescimento das atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) como "inovação", porém tendo em vista interesses privados;

IV) o Estado poderá até ampliar seus gastos, ao passo que as empresas tenderão a diminuí-los, uma vez que terão acesso a recursos estatais (financeiro e de pessoal);

V) o número de patentes registradas pelas instituições públicas tende a cair, pois o registro passará a ser feito em nome dos envolvidos no processo e da OS a que eles estarão ligados. A fonte de recursos para a manutenção dos registros continuará a mesma, os cofres públicos, enquanto a apropriação dos benefícios será privada.

VI) a produção científica e tecnológica pública será direcionada por demandas do mercado, com prejuízos das atividades de C&T em áreas não rentáveis e fundamentalmente nas de ciência básicas e de ciências humanas.

Deve-se salientar, ainda, que a Lei 13.243/2016 fere também o princípio constitucional de publicidade, direito de acesso público ao conhecimento gerado pelas Instituições de Ciência e Tecnologia, inclusive prevendo sanções administrativas, civis e penais aos servidores que não aderirem aos acordos firmados nas instituições onde trabalham. Com a implantação dessa lei, o Estado ficará vulnerável aos interesses particulares, pois os recursos públicos poderão ser apropriados por interesses privados.

As consequências referidas anteriormente nada mais são que a materialização da Refora do Estado capitaneada por Bresse-Pereira nos anos de 1990, no governo de FHC e levada adiante por sucessivos governos. Segundo essa reforma, a responsabilidade pelos "serviços sociais e científicos" para a ser das OS, organizações "públicas não-estatais".

Pelo exposto, a Lei 13.243/2016 desfecha ataque ao Complexo Público de Ensino Superior e de Pesquisa e representa grave ameaça aos interesses da maioria da sociedade em favor de interesses privados, bem como aponta para a destruição da capacidade nacinal de produção de C&T de interesse público.

Faz-se , pois, necessária uma vigorosa mobilização contra esse "Marco Legal de CT&I" e em defesa da produção científica e tecnológica que responda às necessidades e aos problemas vividos pela maioria da sociedade brasileira.

Para fazer frente às ameaças que o referido "Marco" representa, os signatários deste Manifesto convidam os setores organizados da sociedade civil para participarem do Movimento pela Ciência e Tecnologia Públicas.

 

Signatários:

 

Adunesp -Associação dos Docentes da Unesp

Adunicamp  Associação dos Docentes da Unicamp

Adusp - Associação dos Docentes da USP`

APqC - Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo

Mandatodo Vereador Pedro Tourinho (PT Campinas)

Sinpaf - Sindicato dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário - Seção Sindical Campinas e Jaguariúna

STU - Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp

Sintusp - Sindicato dos Trabalhadores da USP

 

 

17/03/16

RESPOSTAS DO MOVIMENTO ESTUDANTIL

ZAGO ATACA ESTUDANTES E AS RESPOSTAS JÁ APARECEM

Na Each, estudantes realizaram trancaço da Rodovia Ayrton Senna dia 15 de março como forma de protesto contra o corte de auxílio dos estudantes no campus e pelo fortalecimento da política de permanência e já organizam um próximo trancaço;

Na Faculdade de Direito, houve a proibição de estágios para estudantes até o 6º semestre e a resposta veio rápida e certeira, ontem (16), em duas assembleias lotadas, os estudantes aprovaram GREVE A PARTIR DE 30 DE MARÇO (592 a favor e 64 contra).

 Os ataques não passarão e os estudantes estão dando aula de resistência.

O Sintusp manifesta total apoio ao movimento estudantil e conclama a categoria a unir forças. Nossa paralisação está marcada para o dia 31/março, quando lutaremos contra o arrocho salarial, contra o desmonte da Universidade e pela permanência estudantil.

 

Documentos